Skip to content

Aplicações Gerais

Aplicações Gerais do Processo de Jateamento

LIMPEZA: É a mais tradicional aplicação do jateamento e todos conhecem sua eficiência. Entretanto, com modernas técnicas operacionais, com o desenvolvimento de novos equipamentos e com o advento de materiais especiais, o campo se ampliou para áreas imprevisíveis. Com esferas de vidro ou cascas de noz, por exemplo, peças de alta precisão podem ser jateadas sem a menor alteração dimensional. Hoje, desde a limpeza de ligas de cromo-cobalto em prótese dentária, cascos de navios, passando por carburadores ou moldes em geral, rodas de avião etc. podem ser, limpas com jateamento. Praticamente todos os setores industriais são potenciais usuários do processo, nem que seja para a manutenção em geral.

ACABAMENTO: Com jateamento não se consegue polir uma superfície. É possível, usando especificações corretas, limpar sem prejudicar o polimento. O que se pode obter é um fosqueamento uniforme e controlado e que é um tipo de acabamento válido, muito bonito e de baixo custo. Com esferas de vidro, a superfície fica como acetinada, suave ao tato, sendo especialmente recomendadas para aço inox por não contaminá-lo. Em muitas peças o polimento não desejável – armas de fogo, instrumentos óticos e cirúrgicos, limpadores de para brisa e componentes para painéis de carro – e o processo é a solução mais econômica. Em muitos casos, pode substituir a texturização química para o fosqueamento de moldes. Outras explicações usuais são: tirar o brilho de plásticos, fosquear vidro, uniformizar superfícies antes do polimento, entre outras.

DESREBARBAMENTO: É outra importante aplicação do jateamento. Geralmente são empregadas esferas de vidro ou granalhas de aço esféricas que agem sobre a rebarba por quebra ou compactação. Não é qualquer tipo de rebarba que pode ser eliminada pelo processo já que algumas requerem ações abrasivas devendo ser utilizados rebolos, lixas ou “chips”. Em geral, rebarbas de usinagem e de estamparia são facilmente removidas suavizando as arestas cortantes. Como regra geral, sempre que o processo for válido ele deve ser adotado porque será mais eficiente e sensivelmente mais econômico. Só como curiosidade, as rebarbas das pontas das agulhas hipodérmicas (foto) são eliminadas com jato de esferas de vidro (40 microns).

GRAVAÇÃO OU DECORAÇÃO: O contraste entre áreas polidas e parcialmente fosqueadas é um recurso decorativo bonito e muito fácil de ser obtido. Proteger superfícies com fita isolante, “contact” ou máscaras e removê-las depois do jateamento é tudo o que é necessário. O mesmo princípio se aplica para gravação de letras, números ou logotipos, sendo utilizadas máscaras perfuradas em aço ou borracha. Em equipamentos especiais, simples ou automáticos o tempo necessário para gravação é, em geral, da ordem de 0,4 a 0,6 segundos.O processo é muito empregado não só em superfícies metálicas como sobre vidro, louça, plásticos etc.

SHOT PEENING: É uma moderna técnica de tratamento a frio de superfícies metálicas. É uma espécie de “martelamento” obtido com jato de partículas esféricas, geralmente de vidro ou aço, que melhora as qualidades metalúrgicas superficiais no sentido de aumentar as resistências às fadigas mecânica e térmica, ao superaquecimento, à corrosão entre outras. Outros efeitos, como selagem da microporosidade superficial, eliminação de microfissuras ou riscos direcionais de usinagem, que são pontos de concentração de tensões, abre ao processo um amplo campo de aplicações como em ferramentas de corte, estampo, molas planas ou helicoidais, virabrequins, bielas e centenas de outras peças submetidas a esforços alternados ou ao atrito. “Shot peening” requer rigorosas especificações de aplicação e de automatismo, mas, os benefícios obtidos, muitas vezes com resultados exponencialmente maiores, justificam seu emprego.

São apenas cinco aplicações, mas cada uma delas representa um mundo à parte